O que é Esgoto?

Esgoto é termo usado para caracterizar os despejos líquidos provenientes dos diversos usos das águas, tais como: domésticos, industrial, água de infiltração e contribuição pluvial parasitária (ABNT, 1986)

Esgoto doméstico é o despejo líquido resultante do uso da água para higiene e necessidades fisiológicas humanas: água de banho, urina, fezes, sabões, detergentes, águas de lavagens, etc.         

Características químicas do Esgoto

A composição do esgoto doméstico é constituída por 99,99% de água e 0,01% de sólidos. A Figura 1 apresenta a composição do esgoto doméstico.

 

Por que tratar o Esgoto?

  • Importância na saúde pública: reduzir o número de organismos patogênicos e evitar o contato de vetores com fezes, prevenindo a transmissão das doenças de veiculação hídrica.
  • Importância ambiental: evitar a degradação ambiental, através da contaminação dos solos e dos mananciais, protegendo a vida vegetal e animal.
  • Importância econômica: reduzir o custo do tratamento da água, aumentar a vida média do homem pela redução dos casos de doenças; diminuir as despesas com o tratamento de doenças gastrointestinais.
  • Importância estética: evitar prejuízos ao lazer e ao turismo, pelo mau cheiro e aspecto.

 

Tratamento de Esgotos

O tratamento de esgoto consiste em estabilizar a matéria orgânica, constituída principalmente de proteínas, carboidratos e lipídios, ou seja, transformá-la em compostos inertes. (Maintinguer, 2015). Além disso, o tratamento do esgoto visa devolver a água ao meio com as características próximas as originais quando captada.

  • Processos Físicos: caracteriza-se por remover sólidos fisicamente separados dos líquidos ou que não se encontrem dissolvidos.
  • Tratamento preliminar ou primário
  • Processos Biológicos: são processos que dependem da ação de microrganismos presentes nos esgotos. Se o processo de tratamento for aeróbio, microrganismos aeróbios farão a degradação da matéria orgânica gerando CO2 e H2 Se o processo de tratamento for anaeróbio, microrganismos anaeróbios atuarão na degradação da matéria orgânica produzindo CH4 e CO2. A Figura 2 ilustra a diferença entre os produtos gerados nos processos de tratamento aeróbio e anaeróbio.
    • Tratamento secundário

  • Processos Químicos: são processos em que há a necessidade de se utilizar produtos químicos quando o emprego de processos físicos e biológicos não atendem ou não atuam eficientemente nas características que se deseja reduzir ou remover.
    • Tratamento terciário

 

Estação de Tratamento de Esgotos

O DAAE Araraquara é responsável por três Estações de Tratamento de Esgotos, sendo elas:

  • ETE Araraquara

População atendida: 224.034 habitantes (IBGE, 2015)

Início de operação: outubro de 1999

Tipo de tratamento secundário: lagoa de aeração seguida de lagoa de sedimentação.

Volume de esgoto diário para tratamento: 56.000 m3.

Lançamento do efluente: Córrego Ribeirão das Cruzes – Classe IV

O sistema de tratamento de esgoto da ETE Araraquara consiste em duas etapas o tratamento preliminar ou primário (processo físico) seguido do tratamento secundário (processo biológico). O tratamento preliminar é composto por gradeamento grosso, um sistema constituído por grades com espaçamento de 20 mm e processo de remoção automática de detritos onde ocorre a separação de sólidos grosseiros, dentre os materiais removidos nesta etapa destacam-se canetas, sacolas plásticas, madeira, escova de dente, bolas de tênis, aparelho de barbear descartável, aparelhos de celular e bolinhas de borracha. A Figura 3 apresenta o gradeamento grosso da ETE Araraquara.

Após o gradeamento grosso a calha Parshall é responsável por medir o volume de esgoto que chega para tratamento, em média chegam à ETE 650 litros de esgoto por segundo, com período de maior vazão por volta das 14 horas. Em seguida o esgoto passa pelos desarenadores ou caixas de areia, onde partículas em suspensão são removidas após sedimentação provocada por redução na velocidade do percurso do esgoto através de raspador de fundo do tipo circular e remoção para caçambas externas através de roscas transportadoras helicoidais. A Figura 4 apresenta uma das três caixas de areia da ETE Araraquara.

Finalizando o tratamento preliminar, peneiras rotativas mecanizadas com espaçamento de 6 mm removem os resíduos e descartam em uma caçamba através de esteira transportadora. Dentre os materiais removidos nesta fase podemos citar restos de comida, estopas e preservativos. Todo resíduo removido nestas etapas são encaminhados ao aterro sanitário. A Figura 5 ilustra uma das peneiras da ETE Araraquara.

 Após finalizar o tratamento preliminar inicia-se o tratamento secundário ou tratamento biológico. O esgoto é enviado às lagoas de aeração, com dimensões de 240m de comprimento por 125m de largura e 4,7m de profundidade e conferem um tempo de detenção de, aproximadamente, três dias e um volume de 103.700 m3, onde os microrganismos aeróbios presentes no esgoto degradam a matéria orgânica com o auxílio de oxigênio que é introduzido através de 16 aeradores em cada lagoa, dos tipos submersos e propulsores. A Figura 6 apresenta a lagoa de aeração da ETE Araraquara.

Após passar pela lagoa de aeração, o esgoto é enviado para as lagoas de sedimentação, cujas dimensões são 130m de comprimento por 125m de largura e 4m de profundidade e com volume útil da ordem de 57.600 m3, o suficiente para proporcionar um tempo de detenção de dois dias, que confere uma condição anaeróbia. Na lagoa de sedimentação ocorre a formação do lodo e após separação do resíduo por processo de decantação o efluente, já tratado, é lançado no córrego Ribeirão das Cruzes, que é um rio classificado como classe IV, segundo a Resolução Conama nº 357 de 17 de março de 2005 e pertencente a Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos (UGRH – 13, Tietê/Jacaré). A Figura 7 ilustra um dos módulos de lagoa de sedimentação e a Figura 8 apresenta o lançamento do efluente tratado no corpo hídrico.

 

 

 

 

            Sistema de Secagem de Lodo

O lodo gerado nas lagoas de sedimentação são dragados para a Estação de Secagem Térmica onde passa pelas etapas de floculação, flotação, centrifugação e secagem, como pode ser observado no fluxograma da Figura 9 abaixo.

Figura 9 – Fluxograma do Sistema de Secagem do Lodo

Fonte: Daae

Após a passagem do material sólido já desidratado pelo secador, o lodo seco é levado para o aterro sanitário da cidade, pois ele já esta inerte e livre de compostos contaminantes.

  • ETE Bueno de Andrada

População atendida: 480 habitantes

Início de operação: agosto de 1997

Tipo de Tratamento: lodo ativado com aeração prolongada e fluxo intermitente (batelada)

Volume de esgoto diário para tratamento: 40-45 m3.

Lançamento do efluente: Córrego Itaquerê – Classe II

A ETE Bueno de Andrada foi inaugurada em 1997, sua construção se concretizou graças a uma parceria entre o Daae e a Escola de Engenharia de São Carlos/USP. O tratamento consiste em duas etapas: o tratamento preliminar ou primário (processo físico) seguido do tratamento secundário (processo biológico). O tratamento preliminar é composto por uma pequena grade para remoção dos detritos carregados nos esgotos. Após passar pela grade, uma bomba recalca esse esgoto para um equipamento chamado Rotamat, que tem a função de separar a parte sólida em suspensão (areia) por diferença de densidade. Posteriormente, o esgoto é enviado para o Tanque de Armazenamento de Resíduo (TAR), onde ele é armazenado e aguarda o processo de tratamento. A Figura 10 apresenta uma ilustração do Rotamat e o TAR da ETE Bueno de Andrada.

Figura 10 – Rotamat e TAR

 

Fonte: Daae

           

O tipo de tratamento da estação é o lodo ativado com aeração prolongada e fluxo intermitente (batelada). O ciclo de tratamento do esgoto da ETE Bueno de Andrada é de 24 horas. O tratamento secundário (processo biológico) é aeróbio e seu início ocorre quando o esgoto é enviado do TAR para os Reatores Sequenciais em Batelada, cuja sigla em inglês é SBR’s (Sequential Batch Reactors), ilustrado na Figura 11. Neste tanque o esgoto em contato com a biomassa (lodo ativado - rico em microorganismos) é responsável pela degradação da matéria orgânica (alimento) presente nos esgotos. Nos SBR’s o esgoto fica sob aeração e agitação por um tempo determinado e após esse período há uma interrupção no fornecimento de ar e cessa-se a agitação. O próximo período do ciclo de tratamento é o da sedimentação que demora três horas para a sedimentação do material em suspensão. Ao final do período de sedimentação, o material sólido encontra-se sedimentado no tanque e o efluente tratado é lançado no tanque de filtração, ilustrado na Figura 12.

Figura 11 – SBR’s

Fonte: Daae

Figura 12 – Tanque de filtração

       

Fonte: Daae

          

Após a filtração, o efluente vai para o tanque de desinfecção (final), onde recebe uma solução de hipoclorito de sódio. O formato de chicana (passagem em zigue-zague através de paredes) favorece o contato do hipoclorito com o efluente tratado. Após a desinfecção, o efluente é disposto no córrego Itaquerê, que é um rio classificado como classe II, segundo a Resolução Conama nº 357 de 17 de março de 2005 e pertencente a Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos (UGRH – 13, Tietê/Jacaré). A Figura 13 ilustra o tanque de desinfecção da ETE Bueno de Andrada.

 

Figura 13 – Tanque de Desinfecção (Chicana)

Fonte: DAAE

Durante o processo de degradação da matéria orgânica pelos microrganismos há um aumento em sua população. Este aumento deve ser controlado, com frequência variando conforme a necessidade da operação, é necessário retirar o acúmulo de lodo dos SBR’s pois este lodo ocupa espaço no tanque, o que diminui o espaço para nova batelada e consequentemente há uma redução de matéria orgânica disponível, o que compromete o equilíbrio no tanque, pois terá uma população grande de microrganismos para pouco alimento. O processo de retirada de lodo se dá após o processo de descarte do efluente tratado e o lodo fica armazenado no tanque de lodo morto, por um período de 21 dias, sem aeração para que os microrganismos morram. A Figura 14 apresenta o tanque de lodo morto.

Figura 14 – Tanque de Lodo Morto

Fonte: Daae

Após findar o período no Tanque de Lodo Morto, o lodo é recalcado para o tanque de secagem de lodo, onde será drenada a parte líquida, que retorna para o TAR e o resíduo após secagem pelo sol é encaminhado para caçamba e posteriormente ao aterro sanitário. A Figura 15 apresenta o tanque de secagem de lodo da ETE Bueno de Andrada.

     

 

Figura 15 – Tanque de Secagem de Lodo

Fonte: Daae

  • ECTE Assentamento Bela Vista

População atendida: 800 habitantes

Início de operação: novembro de 2006

Tipo de Tratamento: Uasb (Upflow anaerobic sludge blanket, sigla em inglês para reator anaeróbio de fluxo ascendente e manta de lodo).

Volume de esgoto diário para tratamento: 60 m3.

Lançamento do efluente: Córrego Andes – Classe II

Figura 16 – Vista geral da Estação

Fonte: Daae

          

A Estação compacta de tratamento de esgotos da agrovila do Assentamento Bela Vista é composta pela unidade de gradeamento que consiste no tratamento preliminar ou primário, onde são removidos os sólidos grosseiros que chegam na estação através da rede de esgotos (Figura 17).

Na Estação todas as unidades, ou seja, os tanques foram construídos enterrados, sendo este o diferencial desta estação por se tratar de uma unidade compacta.

Figura 17 – Unidade de gradeamento

Fonte: Daae

O efluente após a remoção dos sólidos é encaminhado para o reator anaeróbico e o filtro biológico que é a etapa do tratamento secundário, ou seja, biológico, para a degradação da matéria orgânica onde as bactérias existentes na manta da biomassa do reator vão consumir os compostos orgânicos presentes nos esgotos. Na Figura 18 observamos o reator anaeróbio seguido do filtro biológico, ambos enterrados.

Figura 18 – Reator Anaeróbio e Filtro Biológico

 

Fonte: Daae

          

Após a remoção da matéria orgânica, o efluente já tratado passa por uma calha Parshall onde recebe pastilhas de hipoclorito de sódio para desinfecção e lançamento do mesmo no corpo receptor.

O monitoramento do efluente tratado das Estações de Tratamento de Esgoto do Daae é realizado mediante cronograma estabelecido pela Unidade de Análise e Controle de Qualidade e analisado no Laboratório Físico-químico e microbiológico do Daae.

CURIOSIDADES

 Todos os dias são despejados no ambiente 5,9 bilhões de litros de esgoto sem tratamento algum, contaminando solos, rios, mananciais e praias, com impactos diretos na saúde da população. (IBGE, 2015).

 As principais vítimas da falta de saneamento são crianças na faixa etária entre 1 e 6 anos, com probabilidade 32% de morrerem por doenças relacionadas a falta de acesso a esgoto coletado e tratado de forma adequada (Instituto Trata Brasil, 2015).

 Por ano, 217 mil trabalhadores precisam se afastar de suas atividades devido a problemas gastrointestinais ligados a falta de saneamento (Instituto Trata Brasil, 2015).

 Ao ter acesso à rede de esgoto, um trabalhador aumenta a sua produtividade em 13,3%, permitindo assim o crescimento de sua renda na mesma proporção (Instituto Trata Brasil, 2015).

  Para cada 1 mil litros de água utilizada pelo homem resultam 10 mil litros de água poluída (ONU, 1993).

Gerência de Tratamento de Água e Esgotos

(16) 3324-9554

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Unidade de Tratamento de Esgoto

(16) 3324-9582

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pin It

Enquete Daae

De modo geral, como você avalia os serviços oferecidos pela unidade de atendimento móvel do Daae?

facebook

Back to top